mesa de trabalho com papéis, um laptop exibindo gráficos na tela e uma caneca ao lado.

A automação da entrada dos dados de documentos fiscais eletrônicos, como notas mercantis (NF-e), de serviços (NFS-e) e conhecimentos de transporte (CT-e), nos sistemas ERPs traz uma série de benefícios para as empresas. Além de eliminar o retrabalho causado por erros de digitação, a adoção da tecnologia melhora a produtividade, aumenta o controle e a compliance fiscal, impulsionando a eficiência operacional das organizações.

Nos últimos meses, a Homine tem detectado uma crescente procura por sua solução de automação, o HomSoft. “Constatamos, principalmente a partir do segundo semestre de 2018, um aumento significativo no número de consultas feitas por empresas interessadas em adquirir nossa solução”, revela o CEO da Homine, Horácio Menin.

Na prática, isso demonstra que as empresas que ainda realizam a entrada manual dos dados das notas fiscais estão descobrindo as vantagens em automatizar seus processos. Segundo Horácio Menin, em 2018, a Homine registrou um crescimento de cerca de 82% em relação ao ano anterior na quantidade de apresentações comerciais da solução realizadas pela equipe. E a demanda segue em alta também nos primeiros meses de 2019.

Alguns fatores que explicam o mercado aquecido

A busca por mais agilidade nos processos de entrada física e fiscal na empresa, a redução dos erros de escrituração e do retrabalho, o maior controle e transparência fiscal, mas também a complexidade e a burocracia tributária brasileira estão entre os fatores que explicam o aumento na demanda por soluções de automação inbound (entrada) dos documentos fiscais.

Segundo o relatório Doing Business 2019, do Banco Mundial, o Brasil é o país no mundo onde se gasta mais tempo calculando e pagando impostos. São 1.958 horas por ano, em média, gastas pelas empresas brasileiras para lidar com a burocracia tributária. A média entre os países da OCED é de 159.4 horas. O país é também vice-líder no ranking de complexidade financeira, apresentando as maiores dificuldades no cumprimento das obrigações fiscais e contábeis.

A implantação frequente de novas regras fiscais, em vez de tentar desburocratizar e simplificar a tributação, apertam ainda mais o controle dos órgãos de fiscalização. Ao optar por automatizar seus processos de entrada e gestão dos dados, as empresas diminuem os riscos fiscais causados pela burocracia e facilitam os processos de auditoria, devido à precisão do registro das informações.

O resultado da automação nas empresas

O HomSoft automatiza os processos de entrada física (MIGO) e fiscal (MIRO) de mercadorias, conhecimentos de transporte e serviços no sistema SAP, depois de comparar previamente se os dados que constam no XML do documento fiscal eletrônico, emitido pelo fornecedor, equivalem às informações descritas no pedido de compra que originou a transação.

Empresas que adotaram a solução relatam ganhos significativos de eficiência operacional, diminuição dos custos e padronização dos processos, sobretudo na logística – entrada de caminhões, de mercadorias e controle de pátio.

A redução do tempo da mão de obra é um dos resultados que mais impressiona. O PMO da Homine, Jorge Gonzalez, que já liderou projetos de implementação do HomSoft em vários clientes, exemplifica que um processo de MIRO feito manualmente pode levar de 40 minutos a uma hora para ser concluído, caso todos os dados estejam corretos. “Com a automação, esse tempo pode cair para cerca de dez minutos ou até menos”, destaca.

Quer saber mais sobre os benefícios da automação inbound de documentos fiscais para a sua empresa? Entre em contato com a nossa equipe no comercial@homineinfo.com.br e agende uma conversa ou uma demonstração do HomSoft.