07
out. 2019

Os desafios dos primeiros anos do SAP no Brasil

By Marketing Homine Tags:, , , , |   0 comments

Por Alfredo Menin, Co-founder e CTO da Homine

Quando se vê hoje a capilaridade do SAP no Brasil – praticamente “uma religião” seguida por grande parte das empresas nacionais –, ninguém imagina os desafios enfrentados lá no início, na década de 90, para que esse software viesse para o país e depois se disseminasse entre as empresas nacionais. Hoje, sempre que vou a eventos da SAP, invariavelmente lotados, me ponho a recordar sobre aquela época.

O primeiro obstáculo foi simplesmente trazer o programa para o Brasil. Eu trabalhava como consultor de TI na Origin – empresa fundada a partir de um processo de outsourcing realizado pela Phillips no Brasil. Já tínhamos ouvido falar desse software alemão, o SAP, que realizava a gestão operacional, logística e de finanças das empresas.

O presidente da Origin à época designou a célula de Indústria e Comércio da empresa para ir atrás do programa na Alemanha e trazê-lo para o país. Em 1992, uma equipe brasileira foi para lá e voltou com os CDs na mala, nos quais estavam gravados os dados da versão R3 do SAP. Para instalar o programa, tivemos de adquirir um computador com leitor de CDs – àquela época, uma novidade no país.

A barreira linguística foi o próximo desafio, pois o programa estava no idioma alemão. A célula de Indústria e Comércio da Origin, da qual eu fazia parte, trabalhou meses para traduzir as linhas do SAP para o inglês. Consultávamos o dicionário o tempo todo e, finalmente, concluímos a versão inicial do SAP R/3, em inglês, que foi para o mercado dos Estados Unidos. Daí foi mais fácil traduzirmos do inglês para o português.

Superado o problema da língua, encaramos o nosso maior desafio: entender como o programa funcionava e adaptá-lo à legislação fiscal e tributária do país – o trabalho de localização. Passamos oito meses “enfurnados” no escritório da Origin, em São Paulo, estudando a fundo o software – a programação, o banco de dados, os módulos de logística, de finanças, enfim, absolutamente tudo!

Uma executiva alemã da SAP veio para o Brasil e nos deu um treinamento sobre o funcionamento do programa. Porém, ela não conhecia todos os módulos. Por causa disso, consultores internacionais alemães também vieram ao Brasil e ministraram cursos sobre os que eram, àquela época, os módulos básicos do SAP: SD-Vendas, MM-Estoque e Compras, PP-Produção, FI-Finanças e Contabilidade Legal, e CO-Controladoria.

Quando já estávamos mais familiarizados com o novo software, começamos a realizar as pré-vendas técnicas, visitando as empresas brasileiras para entender como elas calculavam impostos. Em paralelo, uma equipe da célula Indústria e Comércio, com expertise fiscal, foi constituída para elaborar, em inglês, um livro contendo as fórmulas de cálculos dos impostos brasileiros. Foi um processo de aprendizado intenso, que gerou o “book da localização”, com todas as regras fiscais e tributárias aplicáveis no Brasil. E em 1993-94, uma equipe da Origin foi designada para viajar à Alemanha com o livro debaixo do braço e trabalhou por mais de um ano dentro da SAP.

O resultado foi o SAP R/3, uma versão nova e específica para o Brasil – a denominada “localização brasileira”. Importante ressaltar que fomos o 1º país a ter uma versão do SAP adaptada à sua realidade fiscal e tributária na América Latina.

Enquanto a equipe estava na Alemanha adequando o sistema para atender à legislação brasileira, nós corríamos para treinar consultores em TI capazes de implantar o software nas empresas. Afinal, de que adiantaria ter a versão brasileira do SAP, devidamente “localizada”, se não houvesse quem a implementasse? Nascia então a NewHire Academy, academia para formação de consultores, com treinamentos SAP que duravam 30 dias, com aulas de manhã, à tarde e à noite! Chegamos a formar mais de 200 consultores nesse período. E quando a versão brasileira do programa chegou ao país, já havia mão-de-obra qualificada para implementá-la nas empresas.

O início das vendas foi tímido. As empresas alemãs com subsidiárias no Brasil foram as primeiras a implementar o SAP por aqui. Em 1996, foi criada a SAP do Brasil. O software foi se aprimorando ano após ano e houve um crescimento contínuo daí em diante, especialmente porque já era um programa pronto para o “bug do milênio” – a preocupação que todos tinham com possíveis falhas nos processos computacionais em decorrência da virada do milênio. A demanda por projetos de implementação do SAP era tão alta que, em dado momento, faltavam consultores de TI no Brasil.

Me sinto privilegiado por ter vivenciado o início da SAP no país e por ter aprendido tanto com todo esse processo – os idiomas, a parte técnica e de funcionamento do ERP, os treinamentos. Todo o sacrifício valeu a pena. Sem contar que é sempre bom fazer parte da história.